Sinopse

A simplicidade de um gesto oferece-se como um furacão de tentações.

Abraços que se entrelaçam e se deleitam.

O abandono, cegamente, através de um «memento mori» face ao mundo que, no eixo do tempo, continua ritmado por ciclos.

O abismo da alma, uma vida vivida que permanece diante de nossos olhos.

O silêncio, como uma arma que te apunhala, como uma paragem, tão profunda como a morte.

“Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa – salvar a humanidade.” Almada Negreiros, A invenção do dia claro (1921)

Fábio Lopez

O coreógrafo dedica a sua peça a Marc de Graef (1954-2014), antigo pedagogo da disciplina de pas-de-deux da Escola Artística de Dança do Conservatório Nacional.

Ficha Técnica

Fábio Lopez Coreografia
Barbora Hruskova Assistência à coreografia
Gavin Bryars - Quarteto para cordas no.3 Música
José António TenenteFigurinos
Christian Grossard Desenho de Luz
Companhia Nacional de Bailado Produção

Elencos

Bailarinos e Bailarinas da CNBInterpretação